Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Internacional

Contra-senso entre as partes

Moçambique: Negociações continuam com Gorongosa debaixo de bombardeamentos

Maputo - As negociações entre o Governo moçambicano e a Renamo, o maior partido da oposição, entraram numa fase considerada «boa» onde as posições, que eram muito afastadas, se começam a aproximar.

As rondas negociais passaram a incluir encontros secretos na Assembleia da República e já foram dados passos considerados «significativos», como por exemplo na reestruturação dos actuais órgãos eleitorais, um ponto considerado central.

Só que, paradoxalmente nas frentes militares, as coisas tendem a piorar, num contra-senso entre as partes que está a deixar todo o país perplexo.

Enquanto as forças da Renamo cessaram os ataques ao nível da Estrada Nacional número um, que liga o centro e o sul do país, o Governo intensificou os bombardeamentos à serra da Gorongosa, onde se acredita que esteja o líder da Ranamo, Afonso Dlhakama, que não é visto em público desde Outubro do ano passado.

Aliás, na semana passada, Dhlakama falou telefonicamente com os principais editores de Maputo, num encontro promovido pelo Secretário e no qual a PNN esteve presente, onde se mostrou satisfeito com os avanços que estavam a ser registados na frente política.

Por estes dias o Governo intensificou os bombardeamentos à serra de Gorongosa com artilharia pesada. A população continua a fugir das suas zonas de origem e muitas vezes seviciada pelos militares acusados de colaborar com os homens da Renamo. Mas, o certo é que há duas décadas que a população convive com os guerrilheiros da Renamo, até ao início do conflito armado.

A Renamo já condenou, através do porta-voz de Afonso Dhlakama, António Muchanga, também membro do Conselho de Estado, as investidas das tropas governamentais e acusou o Governo de «falta de seriedade».

O Governo ainda não reagiu em relação aos ataques e deverá fazê-lo dentro de dias, em Maputo. Mas a situação está a deixar perplexa toda a sociedade, que não percebe a motivação dos bombardeamentos à serra da Gorongosa.

(c) PNN Portuguese News Network

2014-02-12 11:42:14

MAIS ARTIGOS...
  CMVM suspende acções do BES
  Cessar-fogo de três dias durou menos de três horas com captura de soldado israelita
  70 peritos internacionais deram inicio à investigação dos destroços do MH17
  Cabo Verde: Governo sensibiliza cabo-verdianos para a cidadania fiscal
  Guiné-Bissau: Militares proibidos de usar uniforme fora da hora de serviço
  Israel e Hamas cessam fogo por 72 horas em Gaza
  Contabilizados 1323 casos de ébola em quatro países africanos
  São Tomé e Príncipe: UNITEL aposta na qualidade dos serviços
  Guiné-Bissau: PM presta declarações sobre deslocação ao estrangeiro
  Moçambique: Acordo de cessar-fogo entre Governo e Renamo refém de termos de garantia
  Cabo Verde: Inaugurado primeiro centro de hemodiálise
  Guiné-Bissau: Comunidade islâmica elogia posição do Governo sobre Dia da Reza

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:



Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Timor Digital Bissau Digital Jornal de São Tomé Cabo Verde Maputo Digital
Notícias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais